domingo, 22 de agosto de 2010

Gabriellina Dias de Aguiar Toledo

Gabriellina Dias de Aguiar Toledo & Victalina Dias de Aguiar Arruda 1866
Nascida em 1834, Gabriellina era filha de João Dias de Aguiar e Gertrudes de Almeida Lima. Seus pais se casaram em 1818 na cidade de Porto Feliz, interior de São Paulo. A mãe de Gabriellina era filha do capitão Lourenço de Almeida Lima e de Manoela Baptista Aranha. Seu pai era filho de Genoveva da Luz Cardoso (inventariada em 1835 em Porto Feliz), casada em 1789 em Porto Feliz com André Dias de Aguiar.

Seus pais, João e Gertudes, tiveram nove filhos após seu casamento em 1818. Pela ordem, 1 Manoel Dias de Aguiar, falecido em 1873, em Santos onde era comerciante, 2 Antonio Dias de Aguiar 3, Izabel Emygdia Dias, 4 Gabriellina Dias de Aguiar Toledo, 5 Genoveva Dias de Aguiar, 6 Augusta Dias de Aguiar, 7 Manoela Umbelina Dias, 8 Gertrudes Carolina Dias de Aguiar, 9 Maria Dias de Toledo.

Gabriellina foi a quarta criança dos nove filhos. Casou-se no ano de 1854 com Antônio Manuel Olyntho de Arruda, proprietário e produtore de 'assucar' no interior de São Paulo, mais precisamente na cidade de Capivary.
O casal teve três filhos. O mais velho Theophlio Olyntho de Arruda, a do meio Laura de Aguiar Souza e finalmente Victalina Dias de Aguiar Arruda nascida em 1861 na cidade de Capivary.

O pai de Gabriellina, João Dias de Aguiar, foi vereador em Capivari, bem como juiz de órfãos e dono de engenho de açúcar, além de ser considerado "muito inteligente". Quando da revolução liberal de 1842, foi nomeado depositário dos bens sequestrados de seu primo irmão, o juiz Salvador Martins Bonilha, que fora assim punido pelo governo por ser um dos revoltosos. Em 1852, João Dias de Aguiar era o Juiz Municipal em exercício. Neste período ocorreu um célebre assassinato que teve repercussão nacional. A mando de outros fazendeiros o ex-escravo Eusébio Dias, um pistoleiro profissional, conhecido como Tôco, assassinou o fazendeiro Elias Antonio Pacheco e Silva.

Na cidade de Capivary existiam 72 fazendas de cana, que produziam entre 116.000 a 120.000 arrobas de 'assucar'.Neste cenário, Antônio Manuel Olyntho de Arruda, marido de Gabriellina, era um dos cinco maiores proprietários e produtores de 'assucar' da cidade. Sua produção era de 3.000 arrobas, enquanto a de seu gênro e pai de Gabriellina, João Dias de Aguiar era de 1.000 arrobas.

Antônio Manoel Olyntho de Arruda(esposo de Gabriellina) Pintura a óleo feita por escravos.

 Gabriellina é descendente dos Toledo Piza, família tradicional originária da Espanha. Sua descendência retrocede até dom Juan de Toledo Piza casou-se com dona Ana Castelhanos e viveram nas Índias de Nova Espanha, região que atualmente se chama Oaxaca, localizada no sul do México, junto ao Pacífico, e onde tiveram entre seus filhos, dom Juan Castelhanos de Piza nascido cerca de 1562 em Ciudad Real, Chiapas, México.  Esta família chegou ao Brasil por meio do filho de dom Juan Castelhanos de Piza, Dom Simão de Toledo Piza nascido em 1612 em Angra, Ilha Terceira dos Açores, batizado no dia 4 de novembro, na igreja da Sé. Filho dos pais dom Juan Castelhanos de Piza e dona Gracia da Fonseca (Livro de Baptismos da Sé de Angra 1608 a 1618. Dom Simão casou-se em 1640 em São Paulo com Maria Pedroso, filha de Sebastião Fernandes Correa, 1.º provedor (proprietário), e contador da fazenda real da capitania de São Vicente e São Paulo, e de Anna Ribeiro. Sabe-se também que ele faleceu com testamento em 1668 em São Paulo. Simão de Toledo Piza casou-se duas vezes e deixou treze filhos, dos quais muitos Toledos paulistas descendem. A história de dom Simão de Toledo Piza tem outros fatos que serão apresentados em outras páginas. (Em breve).

A origem ‘Toledo Piza’ do lado paterno de Gabriellina é confirmada no livro Genealogia Paulista de - Luiz Gonzaga da Silva Leme (1852-1919) Volume V (páginas 537 & 538).

Gabriellina Dias de Aguiar Toledo em retrato que faz parte das recordações de Hélio Machado Lima. Digitalização da imagem original. Na parte superior do verso é possível conferir a sua caligrafia.

Mais surpreendente foi a descoberta que depois e viúva de Antônio Manuel Olyntho de Arruda, Gabriellina casou-se novamente com Antonio Elias de Arruda (sobrinho da baronesa de Almeida Lima e do barão de Atibaia) e não tiveram filhos.

As duas fotos que ainda existem, mostram uma mulher de origem nobre, nas vestes no penteado, e nas expressões.

A primeira foto data de 1866. E trás ao seu lado a filha mais nova Victalina Dias de Aguiar Arruda aos 5 anos de idade. Gabriellina sentada em uma cadeira com o braço direito posicionado na cadeira ao lado onde sua filha Victalina parece estar sentada sobre almofadas colocadas em uma cadeira, para deixa-la com o rosto mais a altura do rosto da mãe. Vitalina usa uma tiara nos cabelos e é possível notar seus olhos claros (azuis), vestido grosso fechado e bota peculiar da época.

Gabriellina tem os cabelos cuidadosamente arrumados e preso sobre a cabeça com a mão esquerda segura o vestido também pesado com detalhes e apliques de renda. O vestido longo se espalha por toda a base da fotografia, tirada pelo (Photographo – Augusto Pinto de Oliveira).

Essa foto remete-se aos primódios da fotografia no Brasil. Foi tirada a poucos anos da vinda e popularização da fotografia no Brasil.
Broche que pertenceu a Gabriellina
A segunda e última fotografia de Gabriellina Dias de Aguiar Toledo é provavelmente do final do século XIX, e exibe uma mulher de idade avançada aparentando certa de 80 anos. Cabelos prateados e presos com um choque sobre a cabeça,  vestido ainda mais detalhado do que o da primeira foto, porém de tecido mais leve. Detalhes embabadados no pescoço e nos ombros. Ve-se ainda um discreto brinco e no pescoço um broxe de pedra Onix. Este broche ainda existe, graças ao seu neto Luiz Gonzaga de Arruda Camargo, filho único de Victalina. O broche está guardado entre as recordações de família, atualmente guardadas pelo trisnéto de Gabriellina, Marco Aurélio de Camargo Marques.
Gabriellina Dias de Aguiar Toledo no final do século 19
 Ainda não foi encontrada informação sobre a data de óbito nem a cidade onde ela nasceu. Mais provável é que tenha nascido em Porto Feliz cidade do interior de São Paulo onde viveu maior parte de seus ancestrais, inclusive seus pais.

A sua genealogia por parte de pai está bastante completa e trás seus pais, avós, bisavós, tataravós e pentavós. E a possibilidade de retroagir ainda mais na ancestralidade.
_______________________________________________________________________________

GENEALOGIA DE GABRIELLINA

* Octavós
dom Juan de Toledo Piza casou-se com dona Ana Castelhanos e viveram nas Índias de Nova Espanha, região que atualmente se chama Oaxaca, localizada no sul do México, junto ao Pacífico, onde tiveram entre seus filhos, dom Juan Castelhanos de Piza.

* Heptavós
dom Juan Castelhanos de Piza nascido cerca de 1562 em Ciudad Real, Chiapas, México, que foi casado (em 1587) com Beatriz de las Barrillas (com quem teve um filho chamado Diego de las Barrillas em 1592). Ficou viúvo quando se casou com dona Gracia da Fonseca em 1599, e tiveram dom Simão de Toledo Piza nascido em 1612 em Angra, Ilha Terceira dos Açores, batizado no dia 4 de novembro, na igreja da Sé. com registro de batismo no Livro de Baptismos da Sé de Angra 1608 a 1618, página 81. Chiapas é vizinha a Guaxaca

* Exavós
Esta nobre família teve princípio na capitania de S. Paulo em dom Simão de Toledo Piza, natural de Angra da ilha Terceira(1), que casou em 1640 em S. Paulo com Maria Pedroso f.ª de Sebastião Fernandes Correa, 1.º provedor (proprietário), e contador da fazenda real da capitania de S. Vicente e S. Paulo, e de Anna Ribeiro. Tit. Freitas Cap. 5º. Faleceu com testamento em 1668 em S. Paulo e teve, além de um f.º que faleceu na infância, de nome Sebastião, os seguintes: 1º João de Toledo Castelhanos , 2.º Gracia da Fonseca Rodovalho, 3.º Anna Ribeiro Rodovalho.

* Pentavós
Anna Ribeiro Rodovalho, batizada em 1643, casou com o capitão João Vaz Cardoso, f.º de Christovão da Cunha de Unhatte e de Mercia Vaz Cardoso. Neste à pág. 148. Teve 14 f.ºs que são:

* Tetravós
Dom Simão de Toledo Piza, natural e cidadão de S. Paulo, aí ocupou importantes cargos, tais como o de juiz ordinário e de órfãos por muitos anos, o de ouvidor e corregedor da mesma capitania, o de capitão-mor e o de governador. Casou com Francisca de Almeida Taques f.ª de João Pires Rodrigues e de Branca de Almeida. V. 2.º pág. 178. Faleceu em 1746 com testamento e teve (C. P. de S. Paulo) 8 f.ºs:

* Trisavós
Estanisláu de Toledo Piza casou com Maria da Luz Cardoso f.ª de José de Góes Cardoso de Maria de Almeida. V. 1.º pág. 177 e V. 4.º pág. 499. Cremos que este, viúvo de Maria da Luz, foi o casado com Izabel Barbosa f.ª de Thomé Moreira e de Branca das Neves. Com geração em Tit. Godoys desta 2.ª mulher. Teve da 1.ª, 2 f.ºs:

* Bisavôs
José de Toledo Piza que casou em Araritaguaba com lzabel da Silva Cardoso f.ª do capitão Antonio Luiz Coelho. natural de Portugal, e de Maria Leite de Miranda, à pág. 267 deste. Foi inventariado em 1804 em Porto Feliz, e teve os 12 f.ºs

* Avós
Genoveva da Luz Cardoso, casou em 1789 em Porto Feliz com André Dias de Aguiar, f.º de João Rodrigues de Aguiar e de Maria Theresa de Almeida. Tit. Fernandes Povoadores. Foi inventariada em 1835 em Porto Feliz, e teve 9 filhos:

* Pais
João Dias de Aguiar (Foi vereador em Capivari, bem como juiz de órfãos e dono de engenho de açúcar, além de ser considerado"muito inteligente". Quando da revolução liberal de 1842, foi nomeado depositário dos bens sequestrados de seu primo irmão, o juiz Salvador Martins Bonilha, que fora assim punido pelo governo por ser um dos revoltosos) João Dias de Aguiar.casou em 1818 em Porto Feliz com Gertrudes de Almeida Lima, f.ª do capitão Lourenço de Almeida Lima e de Manoela Baptista Aranha. Tit. Godoys. Teve 9 f.ºs; Entre eles – Gabrielina Dias de Aguiar Toledo (minha trisavó).

(minha Trisavó) Gabrielina Dias de Aguiar Toledo (nascida em 1834) casou-se com Antônio Manoel Olyntho de Arruda (nascido em 1829) em 1854 e tiveram 3 filhos; Theophylo Olyntho de Arruda (1851) , Laura Dias de Aguiar Arruda e Victalina Dias de Aguiar Arruda nascida em 1861.

(minha Bisavó) Victalina Dias de Aguiar Arruda, nascida em Capivary, São Paulo em 1861 e casada aos 37 anos em 1898 com Eulálio Augusto Alves de Camargo nascido em Tietê, São Paulo em 1864. filho de Augusta Umbelina Alves de Lima e Joaquim Sousa de Camargo Penteado. tiveram dois filhos. Um menino Luiz Gonzaga de Arruda Camargo (1900), e uma menina que faleceu ainda bebê.
(meu Avô) Luiz Gonzaga de Arruda Camargo nascido em 11 de setembro de 1900 e falecido em abril de 1992 casou-se com Augusta Alves de Camargo nascida em 8 de abril de 1917 e falecida em julho de 2010. Casara-se em dezembro de 1943 e tivreram 3 filhos; Luiz Augusto Alves de Camargo (1945) Maria Regina Alves de Camargo (1949) e Maria Helena Alves de Camargo (1958).

(minha mãe) Maria Regina Alves de Camargo nascida em 15 de setembro de 1949 em São Paulo. Casou-se com o imigrante português Francisco Pereira Marques nascido em 9 de fevereiro de 1939 em Pendilhe, Portugal f.º de Mário Pereira Marques e Cândida Pereira Marques. Tiveram 2 filhos; Érica Augusta de Camargo Marque (1976) e Marco Aurélio de Camargo Marques (1980).

Marco Aurélio de Camargo Marques nascido em 02 de abril de 1980 em São Paulo, eu.


11 comentários:

  1. Belo trabalho de pesquisa, e concordo plenamente. "Viver é deixar marcas de sua existência" Deborah

    ResponderExcluir
  2. Caro Parente. Meu nome é Luiz carlos Dias Nogueira Filho e sou tetraneto de Antônio
    anoel Olyntho de Arruda e de Gabriellina Dias de Aguiar ( e por pai, de Genoveva, sua irmã). Quem eram os pais de Manoel Antônio? Dizem que veio do Rio Grande do Sul. Procede? A propósito, meu avô materno era Dr. Milton Olyntho de Arruda, filho do Cel. Theóphilo Olyntho de Arruda

    ResponderExcluir
  3. Prezado Primo. Sou tetraneto de Gabriellina e de Manoel Antônio. Quem eram os pais de Manoel Antônio. Dizem que veio do Rio GGrande do Sul. Procede? A propósito, sou neto materno de Dr. Milton Olyntho de Arruda e bisneto do Cel. Theóphilo Olyntho de Arruda

    ResponderExcluir
  4. Olá Primo... entre em contato comigo pelo e-mail marx2001@ig.com.br

    ResponderExcluir
  5. Belo trabalho de pesquisa e capricho nas postagens, parabéns!!! Moro em São Paulo mas nasci em Conchas, região de Porto Feliz e Botucatu. Tenho um blog http://conchas-acidaderevelada.blogspot.com.br/ onde conto um pouco da história local. Recolhendo material acabei encontrando uma foto de Gabriellina Dias de Aguiar Toledo. Ela está scaneada em alta definição e se interessar a vc posso enviá-la. Grande abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Elias. Sinto que preciso dar continuidade a ele. Postei apenas uma pequena parte da pesquisa. Assim que o tempo permitir continuarei. Encaminhei um e-mail para você. Assim que puder me envie o retrato da Gabriellina. Fiquei bastante curioso. Estou aguardando, Forte Abraço!

      Excluir
  6. Olá. Somos parentes distantes pelo lado de João Dias de Aguiar, pai de nossas antepassadas: Augusta e Gabrielina. Sabe onde encontro mais informações sobre eles? Obrigada. Beatriz se deixar seu e mail entro em contato.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde Beatriz, meu e-mail é marx2001@ig.com.br - Aproveito para pedir que por gentileza para todos que comentam aqui deixem o seu e-mail, pois muitas vezes tenho informações e retratos que posso compartilhar, mas a pessoa não deixa contato e não retorna a página. Essa troca de informações é muito importante. Aguardo seu contato. Um Abraço, Marco Aurélio.

      Excluir
    2. Oi Marco Aurélio, tentei entrar em contato pelo seu e mail e não obtive resposta. Você chegou a ver? Até na quarentena? Se for de seu interesse abri no facebook uma página sobre os Toledo Piza e Almeida, se quiser entrar. Descobri que nossos antepassados também são descendentes dos fundadores de Piratininga (Sampa): Piquerobi e Tibiriçá.

      Excluir
  7. Olá Marco, sou tb descendente da Gabriellina; minha tia-avó q viveu até os 105 anos, falava dela...e acabo de descobrir que Gabriellina era tia da Tarsila do Amaral. Vc sabia? Abraço, Eduardo. email: guedes234@gmail.com

    ResponderExcluir
  8. valinhos,26 de maio de 2017

    Sou Daniel Geraldo Olyntho de Arruda tetraneto de Antonio Manuel Olyntho de Arruda e Gabrielina,meu pai Geraldo Olyntho de Arruda que e filho de Theophilo Olyntho de Arruda filho, neto do coronel Theophilo
    Olyntho de Arruda e filho mais velho de Theophilo Olyntho de Arruda (vovô nhonhô). Os primogenitos a partir do coronel recebiam o nome de Theophilo apenas o meu pai Geraldo que não foi colocado o nome de Theophilo por causa da minha vó que assim quis, mais o meu pai e o primogenito e sendo o unico homem e duas mulheres.o meu email:daniel.olyntho@bol.com.br

    ResponderExcluir